Como utilizar o FGTS para comprar imóvel

    O FGTS foi criado em meados da década de 1960, consiste na vinculação da captação de poupança pelos bancos comerciais à concessão de crédito habitacional.

    Chaves na MãoPor : Chaves na Mão4 anos atrás

    Dicas para utilizar o FGTS

    O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS foi criado em meados da década de 1960, consiste na vinculação da captação de poupança pelos bancos comerciais à concessão de crédito habitacional e a poupança obrigatória consistente em 8% do salário devido ao empregado, valor esse a ser recolhido pelo empregador e depositado na conta do empregado.

    O saque desse valor só pode ser realizado quando o empregador é demitido ou para pagar parte do preço de aquisição da casa própria.

    Mas como utilizar o FGTS para comprar imóveis?

    Para utilizar os recursos da conta vinculada do FGTS na aquisição de moradia própria o proponente deve atender aos seguintes pré-requisitos:

    – Contar com o mínimo de três anos, considerando todos os períodos de trabalho, sob o regime do FGTS;

    – Não ser titular de financiamento imobiliário ativo, concedido no âmbito do SFH, em qualquer parte do Território Nacional.

    – Não ser proprietário, promitente comprador, cessionário ou usufrutuário de imóvel residencial concluído ou em construção localizado:

    – No município onde exerce sua ocupação principal;

    – Na região metropolitana na qual se situe o município onde exerce sua ocupação principal;

    – Nos municípios limítrofes daquele onde exerce sua ocupação principal;

    – No atual município de residência;

    – No município onde pretende adquirir com o uso do FGTS.

    Valor do Imóvel

    O valor do imóvel não pode ultrapassar o valor limite de avaliação estabelecido para o âmbito do SFH.

    Valor do FGTS

    Saldo disponível nas contas vinculadas do trabalhador, desde que o valor do FGTS, acrescido da parcela financiada, quando houver, não exceda ao menor dos seguintes valores:

    a) Limite máximo do valor de avaliação do imóvel estabelecido para as operações no SFH;

    b) Da avaliação feita pelo agente financeiro;

    c) De compra e venda.

    Interstício mínimo entre utilizações

    Para utilização do FGTS na modalidade de aquisição, o imóvel transacionado não pode ter sido objeto de utilização do FGTS há menos de 03 anos.

    Proprietário de fração de imóvel residencial quitado ou financiado, concluído ou em construção

    Pode utilizar o FGTS para adquirir outro imóvel no caso da propriedade da fração ideal ser igual ou inferior a 40% do total do imóvel.

    Compra de fração remanescente de imóvel residencial quitado ou financiado, pelo proprietário de fração do mesmo imóvel

    Pode ser utilizado o FGTS para compra da fração remanescente, desde que o adquirente figure na escritura aquisitiva do imóvel ou contrato de financiamento como coproprietário. Neste caso particular, a detenção de fração ideal pode ultrapassar os 40%.

    Proprietário de lotes ou terrenos

    Pode utilizar o FGTS se comprovada à inexistência de edificação, através da apresentação do carnê do Imposto Predial Territorial Urbano – IPTU e matrícula atualizada do imóvel.

    Proprietário de imóvel residencial recebido por doação ou herança

    Se o imóvel recebido por doação ou herança estiver gravado com cláusula de usufruto vitalício em favor de terceiros, o seu proprietário pode adquirir outro imóvel com recursos do FGTS.

    Construção

    Caso haja um financiamento concedido dentro ou fora do SFH ou de autofinanciamento contratado junto a Cooperativa Habitacional, Companhia de Habitação, Administradora de Consórcio de Imóveis ou por contrato de empreitada, o FGTS pode ser utilizado. O construtor deverá apresentar cronograma de obra.

    Aquisição e construção de imóvel misto, destinado à residência e instalação de atividades comerciais

    A utilização de recursos do FGTS na aquisição de imóvel misto é restrita à fração correspondente à unidade residencial.

    Localização do imóvel

    – No município onde os adquirentes exerçam a sua ocupação principal ou em município limítrofe ou integrante da região metropolitana;

    – No município em que os adquirentes já residam há pelo menos 1 ano, comprovados por, no mínimo, 2 documentos simultâneos, tais como contrato de aluguel, contas de água, luz, telefone ou gás, recibos de condomínio ou declaração do empregador ou de instituição bancária.

    – O atendimento dos requisitos é exigido, também, em relação ao coadquirente, exceto ao cônjuge.

    Cônjuges ou companheiros (as), independentemente do regime de casamento

    Pode ser utilizado o FGTS, desde que o cônjuge ou companheiro(a) que não é o adquirente principal compareça no contrato como coadquirente.

    Então, aproveite a visita ao nosso blog e saiba como usar o FGTS na compra de imóveis mais caros.