Saiba tudo o que valoriza e o que desvaloriza um imóvel

    Boa localização, imóvel espaçoso, mais de dois quartos, piso laminado e condomínio. Confira abaixo o que valoriza e o que desvaloriza um imóvel.

    Chaves na MãoPor : Chaves na Mão5 anos atrás

    O que valoriza e desvaloriza um imóvel

    Boa localização, imóvel espaçoso, mais de dois quartos, piso laminado e condomínio. Se você acha que esses fatores são só o que basta para valorizar ou não um imóvel, está enganado: até mesmo o fato de haver uma feira livre na frente de sua casa influencia o valor final do imóvel e não há receita que funcione, pois o que pode dar certo em um caso, pode seguir um caminho completamente contrário em outro. Confira abaixo o que valoriza e o que desvaloriza um imóvel.

    Comece tendo em mente que existem três fatores principais na hora de definir o valor do seu imóvel: custo, qualidade e utilidade. Não existe uma fórmula fixa para conjugar esses três, já que a análise deve ser feita sob aspectos objetivos e ponto de vista social e econômico do público ao qual o imóvel se destina. O que podemos afirmar é: localização é primordial. A localização de um imóvel serve para determinar a região de interesse para aquisição como fator determinante, levando-se em conta a estrutura da região, vizinhança, vias de acesso, trânsito, tendência de ocupação das áreas vizinhas, segurança e possibilidade de futuras reformas ou ampliações.

    E é já nesse primeiro ponto que entra o fator faixa de renda. As famílias com menores possibilidades financeiras buscam por imóveis que estejam próximos à hospitais e escolas públicas. Além de facilidade de acesso ao transporte público. Em contrapartida, as classes mais altas prezam pela segurança e vagas na garagem.

    Outra preocupação bem comum na avaliação de um imóvel é a posição dele em relação ao Sol, o andar em que o apartamento se localiza, a vista e o posicionamento na cidade – no caso de imóveis comerciais, por exemplo, os com frente voltada às vias públicas são mais valorizados.

    E no que diz respeito aos aspectos gerais do imóvel, a área é fator determinante, cujo valor deverá ser sempre compatível com as necessidades do comprador, devendo também ser considerada a divisão interna e adequação ao uso que se pretende dar ao imóvel.

    Os condomínios-clube

    Outro exemplo de fator a ser levado em conta refere-se à estrutura social e de lazer de um condomínio, que devem se adequar aos usos e necessidades dos moradores. Integração entre o Salão de Festas e áreas de lazer é muito interessante, permitindo maior versatilidade em sua utilização e valorizando o imóvel. Algo muito comum hoje em dia são os chamados condomínios-clube que contam com áreas completas de lazer, contendo não só as tradicionais piscinas e salões de jogos mas também salas de ginástica, espaços gourmet, churrasqueiras e tudo o que as pessoas possam precisar em seu dia-a-dia.

    Além destes fatores, outras questões referentes aos aspectos construtivos são importantes, exercendo influência direta sobre o valor do edifício em si, com destaque para a depreciação física e funcional, devendo também ser objeto de análise o estado de conservação e existência de defeitos, condições das instalações elétrica, hidráulica e ar condicionada. Em tudo, deve-se avaliar a qualidade dos materiais e o emprego de novas tecnologias, não só no aspecto construtivo propriamente dito mas também na facilidade oferecida a instalação de novos sistemas como Internet, rede interna de computadores, redes sem fio (wireless) para notebook, salas de projeção, auditórios e circuito interno de TV

    Evite personalizações

    Finalmente, uma observação de caráter geral, destinada aos proprietários que venham a fazer reformas em um imóvel. Deve-se a todo custo evitar alterações de cunho pessoal, que o personalizem. Ao contrário, deve-se realizar apenas aquelas que melhorem sua funcionalidade à luz das expectativas e demandas do mercado.

    Boa localização, imóvel espaçoso, mais de dois quartos, piso laminado e condomínio. Se você acha que esses fatores são só o que basta para valorizar ou não um imóvel, está enganado: até mesmo o fato de haver uma feira livre na frente de sua casa influencia o valor final e não há receita que funcione, pois o que pode dar certo em um caso, pode seguir um caminho completamente contrário em outro.

    Comece tendo em mente que existem três fatores principais na hora de definir o valor do seu imóvel: custo, qualidade e utilidade. Não existe uma fórmula fixa para conjugar esses três, já que a análise deve ser feita sob aspectos objetivos e ponto de vista social e econômico do público ao qual o imóvel se destina. O que podemos afirmar é: localização é primordial. A localização de um imóvel serve para determinar a região de interesse para aquisição como fator determinante, levando-se em conta a estrutura da região, vizinhança, vias de acesso, trânsito, tendência de ocupação das áreas vizinhas, segurança e possibilidade de futuras reformas ou ampliações.

    E é já nesse primeiro ponto que entra o fator faixa de renda. As famílias com menores possibilidades financeiras buscam por imóveis que estejam próximos à hospitais e escolas públicas. Além de facilidade de acesso ao transporte público. Em contrapartida, as classes mais altas prezam pela segurança e vagas na garagem.

    Outra preocupação bem comum na avaliação de um imóvel é a posição dele em relação ao Sol, o andar em que o apartamento se localiza, a vista e o posicionamento na cidade – no caso de imóveis comerciais, por exemplo, os com frente voltada às vias públicas são mais valorizados.

    E no que diz respeito aos aspectos gerais do imóvel, a área é fator determinante, cujo valor deverá ser sempre compatível com as necessidades do comprador, devendo também ser considerada a divisão interna e adequação ao uso que se pretende dar ao imóvel.

    Os condomínios-clube

    Outro exemplo de fator a ser levado em conta refere-se à estrutura social e de lazer de um condomínio, que devem se adequar aos usos e necessidades dos moradores. Integração entre o Salão de Festas e áreas de lazer é muito interessante, permitindo maior versatilidade em sua utilização e valorizando o imóvel. Algo muito comum hoje em dia são os chamados condomínios-clube que contam com setores completos de lazer, contendo não só as tradicionais piscinas e salões de jogos mas também salas de ginástica, espaços gourmet, churrasqueiras e tudo o que as pessoas possam precisar em seu dia-a-dia.

    Além destes fatores, outras questões referentes aos aspectos construtivos são importantes, exercendo influência direta sobre o valor do edifício em si, com destaque para a depreciação física e funcional, devendo também ser objeto de análise o estado de conservação e existência de defeitos, condições das instalações elétrica, hidráulica e ar condicionada. Em tudo, deve-se avaliar a qualidade dos materiais e o emprego de novas tecnologias, não só no aspecto construtivo propriamente dito mas também na facilidade oferecida a instalação de novos sistemas como Internet, rede interna de computadores, redes sem fio (wireless) para notebook, salas de projeção, auditórios e circuito interno de TV

    Evite personalizações

    Finalmente, uma observação de caráter geral, destinada aos proprietários que venham a fazer reformas em um imóvel. Deve-se a todo custo evitar alterações de cunho pessoal, que o personalizem. Ao contrário, deve-se realizar apenas aquelas que melhorem sua funcionalidade à luz das expectativas e demandas do mercado.

    Confira em nosso site as melhores ofertas de imóveis à venda.