Guia básico sobre como escolher a categoria da moto ideal para você

    Sabia que a variação de categoria da moto é refletida não apenas no desenho, mas também no perfil do condutor? Saiba como escolher o modelo ideal para você!

    Chaves na MãoPor : Chaves na Mão5 meses atrás

    Pilotar uma moto traz uma indescritível sensação de liberdade: qualquer trajeto rodoviário transforma-se em uma experiência de desbravamento e independência.

    Você é um amante do motociclismo ou precisa da mobilidade de uma motoca? Então, não deixe de acompanhar este guia!

    Sabia que a variação de categoria da moto é refletida não apenas no desenho, mas também no perfil do condutor? O que acontece com os carros — hatchessedans e outros — aplica-se às motos — scooters, customs e outras.

    Confira, a seguir, como escolher o modelo ideal para você!

    Qual a importância de se conhecer a categoria da moto? 

    É fundamental entender o propósito que a moto terá em sua vida. Com isso em mente, você usará as categorias para guiar suas escolhas da mesma forma que usaria um filtro em pesquisa de imóveis.

    Digamos que João, de 35 anos, quer uma moto para seus momentos de lazer e descontração. Estabilizado financeiramente, ele não estipula um teto de gastos ou vê a economia de combustível como uma prioridade.

    Conclui-se que a categoria ideal para ele é uma custom — que se tornou um ícone pelas Harleys.

    Mas e se João quiser ir de São Paulo a Salvador uma vez por mês, sem prejudicar a lombar? É nesse momento que entram as tourings, projetadas para viagens de longa distância e que disponibilizam todo tipo de mimo ao condutor que possa pagar por elas.

    Um segundo exemplo seria a universitária Ana, de 19 anos. Ela precisa de mobilidade, economia de combustível e muita agilidade para enfrentar o caos urbano, mas tem um orçamento bastante restrito.

    O ideal, nesse contexto, seria pesquisar por scooters, que são leves, ágeis, econômicas e minúsculas.

    O que é preciso levar em consideração na hora de escolher?

    Foto: G1 Globo

    Algo essencial a se considerar no momento que antecede a compra é seu grau de experiência. Adquirir uma esportiva com a habilitação recém-emitida, por exemplo, é uma receita para o desastre.

    A questão não se resume a poder comprar, mas sim se você tem condições de pilotar. Não deixe o excesso de confiança nublar seu julgamento, pois moto é coisa séria. Por isso, se essa for sua primeira moto, tenha atenção aos seguintes pontos:

    ABS ou CBS

    Trata-se de siglas para sistemas de freios mais seguros. O ABS é o Sistema de Freio Antiblocante, que impede que a moto patine e deslize ineficientemente em uma freada brusca.

    Já o CBS é o Sistema de Freio Combinado (patenteado e disponibilizado em motos Honda), que combina o freio traseiro e dianteiro para uma frenagem mais eficiente.

    Assento baixo

    O banco mais baixo permite que o piloto iniciante, ao parar, equilibre-se com ambos os pés no chão. Essa característica confere mais segurança à direção.

    Menor peso

    Quanto mais leve for sua primeira moto, melhor será sua adequação. Modelos menos pesados são mais fáceis para se equilibrar, direcionar, frear e acelerar, inclusive durante curvas.

    Potência

    Quando se trata de sua primeira moto, evite categorias de altas cilindradas. Esses veículos são excepcionalmente leves e, com pouquíssimo torque, conseguem arrancar em alta velocidade.

    As esportivas são pesadas e difíceis de serem domadas pelo motociclista novato.

    A moto pode, inclusive, ser um instrumento de trabalho para motoboys, entregadores ou qualquer função remunerada que exija agilidade no trânsito, economia e possibilidade de instalação de bagageiro.

    Para estes, as streets (categorias urbanas, geralmente disponíveis entre 125 e 200 cilindradas) são a pedida ideal.

    E para lazer? Como citado no exemplo do João, as recomendadas para passeios pavimentados são as customs e, para longas viagens ao horizonte, as tourings são mais adequadas.

    Para os apaixonados por trilha, existem as  de suspensão elevada, pouca lataria e pneus prontos para rodar em qualquer terreno.

    Quais são as principais categorias do mercado nacional?

    É hora de descobrir quais são as principais categorias vendidas no Brasil. Em cada uma delas, apontaremos dois modelos de referência, seguidos pelo perfil do condutor mais adequado. Confira:

    Scooter

    Trata-se da queridinha do condutor iniciante, devido ao câmbio simplificado ou automático. São leves, econômicas e ágeis. É um estilo originalmente europeu e perfeito para o deslocamento urbano.

    • Honda PCX 150 e Yamaha NMAX 160;
    • iniciante, estudante;
    • uso urbano recorrente.

    Street

    Foto: Motonline

    Essa categoria é a favorita de quem usa moto para fins comerciais. Elas não são tão econômicas quanto as scooters, mas certamente estão em 2º lugar. O modelo é disponibilizado entre 125 e 200 cilindradas, além de ter instalação de bagageiro facilitada.

    • Honda CG 160 e Yamaha Fazer 150;
    • condutor de segunda moto;
    • fins comerciais;
    • uso urbano recorrente e rodoviário eventual.

    Custom

    Foto: Pinterest

    Essa moto é estradeira. O assento é baixo, a posição de pilotagem é confortável e a motorização é parruda. Isso sem contar que o desenho e os roncos são indiscutivelmente únicos.

    • Harley-Davidson Iron 883 e 1200 Custom;
    • condutor de segunda moto ou mais;
    • uso urbano esporádico e recorrente aos finais de semana;
    • moto de porte rodoviário.

    Touring

    Considerada o Santo Graal das motos, o epítome da liberdade e o símbolo dos nômades na estrada. São extremamente caras, tanto pela tecnologia empregada na produção quanto pelo que simbolizam. Não são ideais para o uso urbano.

    • Harley-Davidson Road Glide Ultra e BMW K 1600 GTL;
    • condutores com muita experiência e que já tiveram mais de uma custom;
    • uso esporádico e rodoviário;
    • percorrem longas distâncias, sem prejudicar o condutor. 

    Sport 

    Foto: Motoo

    Trata-se de motos esportivas extremamente potentes e velozes. São avessas a qualquer terreno lamacento, dado o fato de que os pneus são de uso exclusivamente pavimentado.

    • Honda CBR 650F e BMW S1000 RR;
    • condutores com muita experiência e que já tiveram mais de uma moto;
    • ideais para uso esporádico ou recorrente, mas adequadas exclusivamente a vias pavimentadas.

    Naked

    Essas são as esportivas sem a característica de carenagem — por isso naked, do inglês: nua/pelada. O modelo dispensa a recapagem, em virtude de um visual mais cru e urbano.

    • Honda CB Twister e CB 650F
    • condutores com experiência e que já tiveram mais de uma moto. 
    • próprias para uso esporádico ou recorrente, mas adequadas exclusivamente a vias pavimentadas.

    Trail ou Off Road

    E finalmente, mas não menos importante: a trilheira! Essa moto curte a sujeira, o atoleiro, o mato, a aventura e a adrenalina. É leve e tem pneus (e componentes) adequados à travessia de qualquer irregularidade.

    • Honda XRE 300 e CRF 230F;
    • condutores com experiência e que já tiveram mais de uma moto; 
    • uso recorrente, adequadas ao trajeto urbano, rodoviário ou fora de estrada. Enfrentam tudo a qualquer momento;
    • construção extremamente sólida e duradoura, visto a probabilidade de entrarem em contato com terra, lama e água.

    Como você pôde perceber, existe uma categoria ideal para cada motociclista. Se essa é sua primeira moto, é recomendado que você siga as orientações e escolha um modelo mais dócil.

    Não se esqueça de que imprudências no trânsito podem causar danos não somente à sua vida, mas à de terceiros.

    Entendeu por que é tão importante conhecer a categoria da moto? Tem amigos que querem comprar a primeira moto e também precisam dessa informação? Então, compartilhe este conteúdo nas redes sociais e ajude a levar informação para seus contatos!

    Confira as melhores ofertas de carros e motos, novos e usados!