Revestimento para calçadas: qual o melhor material?

    O elemento faz diferença na arquitetura da casa. Outro fator importante, é a escolha do material do revestimento para calçadas.

    Chaves na MãoPor : Chaves na Mão4 anos atrás

    Revestimento para calçadas

    Revestimento para calçadas: Normalmente a calçada é um dos últimos elementos a ser considerado na hora de construir ou reformar a casa, porém não pode, de maneira alguma, ser esquecido.

    Além de trazer segurança para quem irá utilizá-la, o elemento faz total diferença na arquitetura e no visual da fachada da casa. Outro fator importante, é a escolha do material de revestimento para calçadas.

    Vale lembrar que a calçada é pública, portanto precisa seguir algumas regras e normas estabelecidas pela prefeitura de sua cidade ou do condomínio em que mora.

    Dentre estas normas, está a determinação de tamanho, da altura, rebaixamento e algumas outras especificações gerais, como superfície firme, contínua e antiderrapante em qualquer condição climática. Caso estas normas não sejam cumpridas, pode implicar em multa ou algum outro tipo de punição.

    Além disso, é importante pensar na acessibilidade que a calçada irá proporcionar, ou seja, não deverá causar risco às pessoas com deficiência visual, cadeirantes, idosos, carrinhos de bebê e crianças.

    Hoje, muitos materiais para a construção da calçada estão disponíveis no mercado e, com isso, é possível criar diferentes modelos que dão um toque especial ao projeto e à fachada da casa.

    Os modelos podem estar diversificados por pedras, texturas, cores e até iluminação. Basta escolher o revestimento para calçadas que mais combina com o seu projeto e soltar a criatividade!

    Mesmo não utilizado muito, o modelo ideal de calçadas é com paisagismo que, além de diminuir o risco de enchentes, dá um charme especial para a decoração da calçada.

    A área verde funciona como uma esponja e absorve a água da chuva.

    Contudo, ao utilizar uma calçada com paisagismo, é necessário respeitar a norma de área de tráfego, que varia de uma cidade para outra, sendo normalmente de 1,50m.

    Para te ajudar a escolher o material correto, separamos alguns modelos mais utilizados nas arquiteturas de hoje e algumas normas que precisam ser seguidas. Confira esse vídeo para saber um pouco mais:

    Dentre os revestimentos mais usados, existem:

    Pedra Miracema

    Este é um revestimento bem resistente e dá um acabamento super interessante para a fachada da casa. Possui uma diversidade de cores e é um dos materiais mais baratos, depois do contrapiso.

    A Miracema-madeira é amarelada por conta da presença de óxido de ferro, enquanto a miracema tradicional pode ser encontrada nas cores cinza, bege e até rosa.

    Contudo, é um material que precisa de alguns cuidados, principalmente com a limpeza para não acumular sujeira, já que acaba ficando encardida.

    Por ser assentada no cimento, é necessária muita atenção para não se soltar com o passar do tempo. Mesmo assim, tudo é uma questão de cuidado na hora da colocação para que haja bons resultados finais.

    Pedra granito

    É um dos materiais mais resistentes, portanto, é usado em garagens e outros espaços de trânsito frequente. É um revestimento para calçadas barato e possui um charme especial, que valoriza a fachada.

    Contudo, como desvantagem, o material absorver a temperatura do ambiente, ou seja, é muito frio em dias gelados e muito quente em dias de calor.

    O modelo mais usado é granito em cubo, mas isso não tira o mérito das pedras quadradas ou retangulares. Em alguns armazéns é possível pedir um corte personalizado, o que valoriza ainda mais o visual da calçada.

    Arenito – Mosaico com Pedra Portuguesa

    É um material usado em estado bruto e pode ser encontrada no mercado em diversos formatos e tipos de corte. O chamado mosaico português é utilizado nos calçamentos e é composto por basalto e mármore, em conjunto com o arenito.

    O mosaico português é formado por pedras irregulares que são instaladas individualmente numa mistura de cimento e areia. O calceteiro escolhe as peças que se encaixam melhor e a posicionam nesta mistura para daí fazer o rejuntamento com uma nata de cimento.

    É um modelo muito utilizado em praças publicas por ser muito resistente. Sua manutenção é fácil e é possível encontrá-lo em quatro cores: mostarda, branco, preto e vermelho.

    Pedras Drenantes

    Caso a sua cidade seja muito chuvosa, a pedra drenante é uma opção de revestimento perfeita! Ela é capaz de absorver água e tem o poder anti derrapante. Outra vantagem é que são atérmicas, ou seja, mantêm a temperatura, além de dar um charme para a calçada.

    Blocos intertravados

    É o piso mais ecológico do mercado por ser feito de concreto rígido. É um pavimento semirrígido e possui blocos pré-moldados de concreto, o que permite repará-los sem deixar marcas.

    É uma excelente escolha para quem quer economizar e ter uma calçada super bonita e resistente em casa.

    Atenção às normas

    Segundo a Prefeitura de Curitiba, a construção de calçadas e manutenção das áreas de passeio de imóveis particulares é da responsabilidade dos proprietários, conforme determina a Lei Municipal 11.596/05.

    Para começar a construir a calçada, é fundamental ter uma licença da Prefeitura. Em Curitiba as consultas para construção, reforma ou manutenção de calçadas podem ser feitas pelo site: www.curitiba.pr.gov.br.

    Para construção em Curitiba, as calçadas deverão estar de acordo com as normas estabelecidas pelo Decreto 1066/07. São permitidos três padrões: paver, asfalto ou placas pré-moldadas de concreto.

    O padrão e a largura das faixas da calçada e de grama serão definidos pela Secretaria do Urbanismo.

    As calçadas com paver são usadas em ruas principais, as chamadas vias estruturantes. São proibidos obstáculos como: degraus, rampas e desníveis, que dificultem o livre trânsito de pedestres.

    É proibida a construção de estacionamento de veículos na calçada ou na faixa de recuo predial obrigatório.

    O decreto 1066/07, sobre a construção de calçadas, estabelece alguns padrões de materiais que são definidos de acordo com a região da cidade. São eles:

    Padrão A

     Executados com blocos de concreto intertravados. Como exemplo, o paver como é conhecido, que apresenta uma série de vantagens como boas resistências, durabilidade, drenagem superficial, boa estética integrando-se aos ambientes, além da facilidade de aplicação e principalmente manutenção, reaproveitamento das peças e flexibilidade em cores.

    Padrão B

    • Executadas em CBUQ (asfalto) com fiada de paralelepípedo, um tipo de acabamento usado nas laterais.

    Padrão B1

    • CBUQ (asfalto) sem acabamento.

    Padrão C

    • Placas de concreto de 40cm x 40cm ou 45cm x 45cm, com rejunte nivelado na superfície do piso.

    Se você gostou do post e quer ter mais dicas de decoração, aproveite para curtir a nossa página no Facebook e ficar por dentro do assunto. Até a próxima!