Honda CG

Dê sua opinião sobre Dê sua opinião

Confira o preço do Honda CG: Tabela FIPE

História do CG

Após décadas como líder de mercado, o modelo CG ainda faz sucesso com os consumidores brasileiros graças às suas constantes atualizações e modernizações, seguindo tendências de consumo, economia e aerodinâmica.
Com uma trajetória marcada pelo sucesso, a CG foi o primeiro modelo da marca a ser fabricado em solo brasileiro e, desde o seu lançamento, já alcançou a marca de mais de 11 milhões de unidades vendidas.
A Honda chegou ao Brasil no ano de 1971, mas foi apenas em 1976 que ela passou a produzir em solo brasileiro uma moto com motor de 125cc e 4 tempos, conhecida como Honda CG 125.
A produção da Honda CG 125 marcou a história da indústria brasileira, pois iniciou a produção de motos no país e de lá pra cá, já são décadas fazendo parte do dia a dia do povo brasileiro.
A motocicleta leva o nome de CG por ser um veículo para uso urbano, a Honda acabou batizou este modelo com a abreviação de “City General” para demonstrar que esta motoneta pertence aos asfaltos das cidades.
Alguns dos modelos mais conhecidos da Honda CG são:
 
Honda CG 125 (Ano 1976)

CG 1976

Conhecida como “Bolinha” devido às suas formas arredondadas, a Honda CG 125 conquistou o público brasileiro. Além da fácil manutenção, valor acessível e motor de cilindro a quatro tempos, a moto desenvolvia 11 cv de potência a 9000 rpm, e atingia pouco mais de 100 km/h.
Com tantas vantagens, em menos de um ano após seu lançamento, a CG 125 representava cerca de 79% do mercado de duas rodas, comprovando o sucesso da moto.
Outro fator que foi decisivo ao seu sucesso foi a crise do petróleo da década de 1970, que ocasionava em preços elevados da gasolina. A Honda CG 125 era extremamente econômica, rendendo 57km/l.
Em 1981, a Honda saiu na frente e passou a oferecer a 1ª moto com motor a álcool do mundo.
 
Honda CG 125 – 2ª Geração (Ano 1983)

CG 1983

A partir de 1983, a moto ganhou mudanças no visual: linhas retas, maior volume e tanque com capacidade para 12l.  O câmbio de cinco marchas permitiu melhor aproveitamento da potência do motor, além de proporcionar segurança aos pilotos.
 
Honda CG Cargo – (Ano 1988)

CG CARGO 1988

Uma das características mais marcantes da Honda CG 125 Cargo é o banco reduzido, oferecendo espaço apenas para o motorista.
Visando o público que utilizava motos como meio de transporte para o trabalho, a Honda apresentou em 1988 a Honda CG 125 Cargo.
Neste modelo, o banco passou a oferecer espaço apenas para o motorista, permitindo a instalação de um baú.
A CG 125 Cargo apresentava bagageiro espaçoso, além de quadro e roda traseira reforçados.
 
Honda CG 125 Today (Ano 1989)

CG TODAY 1989

Em 1989, a Honda lançou o modelo CG 125 Today, com leves mudanças no design que ficou mais esportivo. Este modelo marcou o início da 3ª Geração das Hondas CG. Mas foi apenas em 1992 que a moto sofreu sua principal reformulação mecânica: motor silencioso e potente, ignição eletrônica, potência de 12,5cv, torque de 1 m.kgf, e velocidade de até 115km/h, levando 17s para acelerar de 0 a 100km/h.
 
Honda CG 125 Titan (Ano 1994)

CG TITAN 1994


Marcando a 4ª Geração das CG no Brasil, a Honda lançou em 1994 a CG 125 Titan. Foi também nesta data que a Honda completou 18 dos modelos produzidos no Brasil desde o lançamento da 1ª Geração, em 1976.
Este modelo recebeu design arredondado, e melhora nos freios, embreagem e painel.
 
Honda CG 125 KS e Honda CG 125 ES (Ano 1999)

CG KS 1999


Em 1999, a Honda CG chegou à sua 5ª Geração com dois modelos da Titan: a KS (Kick Starter), com partida no pedal; e a ES (Eletric Starter), com partida eletrônica. Ambos os modelos chegaram com o tão esperado freio dianteiro a disco. Outra mudança que estes dois modelos trouxeram foi o painel com marcador de combustível.
Em 2002, chegou ao mercado o modelo intermediário entre as CG KS e ES, a CG 125 KSE. O modelo KSE chegou oferecendo partida elétrica e freios a tambor.
 
Honda CG 150 Titan (Ano 2004)
Com motor de 150cc, a CG 150 Titan chegou ao mercado no ano de 2004, marcando a 6ª Geração da moto.
Em 2005, a Honda lançou os modelos: CG 125 Fan, um modelo acessível e com design moderno e despojado; CG 150 Job e CG 150 Sport, nas versões flex, movidas a etanol e à gasolina.

CG TITAN 2004

No ano de 2006, a Honda lançou uma série especial da CG 150 Titan em comemoração aos 35 anos da montadora japonesa em solo brasileiro.
 
Honda CG 150 Titan (Ano 2009)

CG TITAN 2009

Líder de vendas em 2009, a Honda CG ganhou neste mesmo ano a sua 7ª Geração. Com tanque de 16,1l, e visual moderno e esportivo inspirado na Hornet 600F, este modelo além de econômico, apresentou redução na emissão de gases poluentes.

Honda CG 150 (Ano 2013)

CG 150

A 8ª Geração é marcada pela mudança radical do visual. O farol deixou de ser redondo, tornando-se mais esportivo. O layout da CG 150 de nada lembra o visual “bolinha” de 1976; e a moto também ficou mais leve! Com 4kg a menos, ela se tornou mais ágil para pilotar.
 
Versão 2016

CG 2017

Muitas mudanças estão sendo aguardadas para os novos modelos da CG e a Honda já anunciou que a partir do próximo ano não oferecerá mais modelos com carburador, o que levará a CG 125 a passar por mudanças e reformulação num futuro bem próximo.
Além das novidades de estética, o propulsor também apresentará melhorias com relação aos anteriores. No novo modelo, o motor é um monocilíndrico com comando de válvulas simples no cabeçote, arrefecido a ar e flex (etanol/gasolina). O novo eixo balanceiro virá com dois contrapesos laterais ao invés de somente um no centro para reduzir as vibrações e a cilindrada vai aumentar de 150 para 162.7 cm³.
Para os fãs da motoneta, também haverá redução da transmissão primária, mudanças nas relações de marcha e até o aumento de eficiência do alternador. Não há dúvidas de que, novamente, virá coisa boa por aí!

CG 1976 CG 1976 CG 1983 CG CARGO 1988 CG TODAY 1989 CG TITAN 1994 CG KS 1999 CG TITAN 2004 CG TITAN 2009 CG 150 CG 2017

Especificações técnicas

Ficha técnica
Motor 4 tempos, 1 cilindro, disposição vertical, 2 válvulas por cilindro, OHC / SOHC, cárter úmido
Comprimento 2.032 mm
Largura 739 mm
Altura 1.087 mm
Distância mínima do solo 170 mm
Distância entre eixos 1.315 mm
Alimentação  Injeção eletrônica bi-combustível
Combustível  Gasolina e/ou Etanol
Tanque de combustível (incluíndo reserva) 16,1 litros
Reserva de combustível 3,1 litros

Itens de série
• Ignição CDI/ECU
• Partida Elétrica
• Bateria 12V 4Ah selada
• Saída do alternador 200 W
• Faróis 35/35W H4 x 1
• Embreagem Multidisco banhada a óleo
• Câmbio Manual sequencial de 5 velocidades
• Redução final 44/15
• Passo da corrente 428
• Quadro Tubular tipo diamante em aço
• Refrigeração a ar
• Capacidade cúbica 162,7 cm³
• Diâmetro x Curso 57,3 mm x 63 mm
• Taxa de compressão 9,5:1
• Potência máxima 15,1 cv a 8.000 RPM
• Torque máximo 1,54 kgf.m a 6.000 RPM
• Sistema de admissão Aspiração natural de ar
• Marcha lenta 1.400RPM +/- 100
• Capacidade de óleo (sem troca de filtro) 1 litros
• Capacidade de óleo (total) 1,2 litros Caster 27,3º
• Trail 107 mm
• Raio de curva 2,06 m
• Altura do assento 790 mm
• Peso seco 121 kg
• Capacidade máxima de carga 161 kg
• Suspensão dianteira Garfo telescópico, curso de 135 mm, sem ajustes
• Suspensão traseira Bichoque, curso de 106 mm, ajuste de pré-carga da mola
• Roda dianteira de liga leve, 18 polegadas
• Roda traseira de liga leve, 18 polegadas
• Pneu dianteiro 80/100 18 47 P sem câmara
• Pneu traseiro 100/80 18 59 P sem câmara
• Freio dianteiro disco simples ventilado, de 240 mm, pinça, de 2 pistões, sem ABS
• Freio traseiro a tambor, 130 mm, sem ABS
• Categoria Street
• Ano modelo 2016

Consumo

A média de consumo na CG 160 manteve praticamente a mesma. Com abastecimento a Gasolina a moto fez uma média de 35 km/l no circuito cidade/estrada. Com abastecimento a Álcool a CG 160 Titan fez a média de 28 km/l no circuito cidade/estrada.

Manutenção

A nova CG 160 foi totalmente pensada para facilitar e baratear o custo da manutenção. Em seu novo motor não é mais necessário desmontar o cabeçote para retirar o comando de válvulas, além disso, o novo propulsor possui um rolamento de agulha no eixo do balancim, onde antes existia um rolamento de esfera, essas alterações, bem como o uso dessa nova peça tem desgaste menor e exige menos manutenção da motoneta.

Valor de revenda

Com base em pesquisas de mercado, tendo como principais fontes lojistas independentes, revendedores e classificados, tem-se uma média mínima de valor de revenda, conforme a tabela abaixo:
 
CG 160 2016: de R$ 7990,00 a R$ 9.290,00 (FIPE).
CG 150 2016: de R$ 7.082,00 a R$ 8.113,00 (FIPE).
CG 150, monocilíndrico 2015: de R$ 6.703,00 a R$ 7391,00 (FIPE).
CG 150, monocilíndrico 2014: de R$ 6.653,00 a R$ 7.254,13 (FIPE).
CG 150, monocilíndrico 2013: de R$ 5.500,00 a R$ 6.221,00 (FIPE).
CG 150, monocilíndrico 2012: de R$ 5.699,00 a R$ 5.900,00 (FIPE).
CG 150, monocilíndrico 2011: de R$ 5.410,00 a R$ 5.923,00 (FIPE).
CG 150, monocilíndrico 2010: de R$ 4.590,00 a R$ 5.110,00 (FIPE).
CG 125 Cargo 2015: de R$ 5.891,00 a R$ 5.891,00 (FIPE).
CG 125 Cargo 2014: de R$ 5.100,00 a R$ 5.823,00 (FIPE).
CG 125 Cargo 2013: de R$ 4.391,00 a R$ 5.200,00 (FIPE).
CG 125 Cargo 2012: de R$ 3.900,00 a R$ 4.181,00 (FIPE).
CG 125 Cargo 2014: de R$ 3.500,00 a R$ 3.750,00 (FIPE). 

Encontre ofertas de Honda CG

Avaliação do veículo

  • Avaliação geral
    0
  • Design  
    0
  • Performance  
    0
  • Conforto e Acabamento 
    0
  • Dirigibilidade 
    0
  • Consumo de Combustível 
    0
  • Manutenção 
    0
  • Custo x Benefício 
    0