Manutenção preventiva em motos evita muitos gastos

    A manutenção preventiva em motos é simples e rápida, indo do básico até verificações mais importantes, as quais listamos aqui. Confira os principais itens.

    Chaves na MãoPor : Chaves na Mão4 anos atrás

    Manutenção preventiva em motos

    A manutenção preventiva em motos pode ser comparada aos check-ups de saúde que nós, seres humanos, fazemos com certa frequência.

    Alguns preferem evita-los, alegando que isso não passa de “procurar problemas de saúde”, enquanto outros gostam de se prevenir, vendo os exames de rotina como uma forma de evitar doenças mais graves.

    Voltando às motos, a manutenção preventiva é simples – e barata, nos modelos menores – e rápida, indo do básico – calibrar pneus e trocar o óleo – até algumas verificações mais importantes, as quais iremos listar a seguir.

    Imagem: Corbis Images

    Abaixo, confira os principais itens que devem ser checados periodicamente em sua moto:

    Checagem e troca das pastilhas e lonas de freio da moto

    Esse é o primeiro cuidado essencial que você deve ter com sua moto. O ideal é verificar o estado das pastilhas mensalmente, o que pode ser feito visualmente – observando as pinças de freio e o nível do reservatório do fluído (que se estiver muito baixo indica que as pastilhas já estão bem desgastadas) – ou percebendo sons estranhos, como o barulho de metal contra metal – quando isso ocorrer, vá direto para a oficina, evitando o uso do freio, pois além das pastilhas, provavelmente o disco também precisará ser trocado.

    Velas e filtro de ar da moto gastos ou sujos

    O principal sintoma da moto quando as velas e o filtro de ar estão gastos ou apenas sujos é a perda do rendimento e o aumento do consumo de combustível.

    O filtro do ar, quando cheio de resíduos, impede a entrada de ar para o motor, enquanto a vela com eletrodos desgastados impede a queima do combustível.

    Geralmente a troca de ambos os componentes deve ser feita a cada 10 mil quilômetros, mas depende de onde você costuma se aventurar com sua moto – motos que encaram estradas de terra tem a troca do filtro abreviada para menos de 10 mil km.

    Já no caso das velas, a inspeção deve ser realizada com frequência, sendo limpas – caso não estejam no fim de sua vida útil – e tendo a folga do eletrodo ajustada.

    Cabos da embreagem da moto em dia

    Um manete de embreagem da moto muito duro pode indicar um cabo prestes a arrebentar, portanto, o ideal é regular o manete assim que a distancia para a embreagem atuar estiver com mais de 2cm, pois deixar essa folga desregulada pode condenar a embreagem e até danificar o câmbio.

    Rolamentos de rodas da moto com folga

    Rolamentos de rodas de motos são robustos, porém, dependendo da quilometragem de sua moto, apresentam sinais claros de desgaste excessivo.

    O principal desses sinais é um ruído que parece vir dos freios, que pode ser percebido chacoalhando cada roda para os lados com a moto parada, em busca de folgas.

    Caso existirem os ruídos, os rolamentos devem ser trocados, evitando o travamento das rodas e possíveis acidentes.

    Troca do kit coroa, pinhão e corrente da moto

    Não economize na hora de trocar o “kit” coroa, pinhão e corrente da moto, pois os seus danos podem danificar componentes mais caros da moto, como a carcaça do câmbio e do motor – se a corrente escapar ou arrebentar, pode se enrolar no pinhão e quebrar outras peças.

    Bons mecânicos sempre sabem a hora da troca, e vale checar isso sempre que fizer a troca do óleo.

    Caixa de direção da moto folgada

    A caixa de direção da moto – rolamentos entre a suspensão dianteira e quadro – só apresenta desgastes quando já é tarde demais, portanto, o ideal é regular a caixa a cada 10 mil km rodados.

    O principal indício da necessidade de ajuste ou troca dos rolamentos é uma moto imprecisa para manter trajetórias retas em baixa velocidade.

    Bateria da moto ruim

    Baterias em final de vida dão sinais claros de fadiga, sendo o mais comum a partida elétrica girando o motor lentamente, ou a moto morrendo em marcha lenta.

    Um manete de embreagem muito duro pode indicar cabo prestes a arrebentar. Ou seja, troque a bateria da moto para evitar ficar na rua.

    Troca de óleo da moto

    O intervalo de troca de óleo da moto indicado pelo fabricante que você escolheu deve ser seguido à risca ou, até mesmo, trocar antes do recomendado.

    Trocas fixadas em 10 mil km só devem ser respeitadas quando se roda muito em estradas, condição na qual o lubrificante mantém melhor suas propriedades.

    No geral, lubrificantes sintéticos da melhor qualidade não devem rodar mais do que 8 mil km, principalmente em motos que trafegam muito na cidade.

    Em motos menores, o intervalo de troca é mais curto, chegando a 2.000km. Independente da quilometragem, verifique semanalmente o nível do óleo pela vareta e respeite a indicação do fabricante quanto ao tipo e viscosidade do lubrificante.

    Confira as melhores ofertas de motos usadas à venda.