Escolher a porta certa para sua casa

    Escolher a porta certa para sua casa pode dar um certo trabalho. Neste post, abrimos todas as portas e revelamos os segredos que elas guardam.

    Chaves na MãoPor : Chaves na Mão4 anos atrás

    Parece fácil, mas escolher a porta certa para sua casa pode dar um certo trabalho. Entre diversos tipos, materiais e formatos, podemos nos perder e optar por modelos inadequados para alguns ambientes. Além disso, é preciso ter cuidados básicos na hora da manutenção e limpeza, o que garante maior vida útil à peça. Neste post, abrimos todas as portas e revelamos os segredos que elas guardam. Aproveite!

    Primeiros passos para a escolha

    Colocar portas em casa pode até ser considerada uma tarefa fácil, no entanto, escolhê-las exige bastante cuidado, pois há hoje no mercado diversos modelos, tipos e materiais e, se escolhermos errado, podemos angariar muita dor de cabeça lá na frente. O primeiro passo é “pesquisar todas as soluções disponíveis, analisar o local da construção (cidade, praia ou campo), a durabilidade do material e a relação de custo e de benefício”, explica a engenheira Ana Paula Elias, da Claris. “Áreas externas, por exemplo, necessitam de portas com material resistente às intempéries, como, por exemplo, a ação dos raios do sol e da chuva. Já as áreas litorâneas pedem portas tolerantes à corrosão, devido ao sol intenso e à maresia. Nesse caso, as de PVC são uma boa pedida”, completa a gerente de Marketing da Claris, Priscila Almeida Custódio.

    Além disso, verificar o ambiente onde ela será colocada também é decisivo. “Para as da entrada, aconselhamos o uso de material maciço e forte. Quanto às internas, podem ser semissólidas ou semi ocas com detalhes em vidro, lisas ou com frisos”, complementa Érika Fabiana Munhoz, da Decorart Portas e Janelas.

    Porta, pra que te quero?

    Atualmente, o mercado disponibiliza diversos tipos que vão muito além de uma aparência bonita, já que elas podem ajudar a otimizar ou ampliar espaços no seu apartamento, tornar algumas áreas mais livres e outras, decorativas, entre outras funções. Mas como saber qual é o melhor modelo para cada ambiente?

    O arquiteto e designer Luis Bessa, da empresa Perfil Portas, dá a dica: “Cada porta é destinada para uma devida utilização. As de abrir são consideradas as mais corriqueiras, sendo usadas em ambientes de grande circulação. Já as de correr ajudam a tornar os espaços mais livres e decorativos – o mercado hoje conta com vários modelos com vidro e outros detalhes”. Ana Paula Elias completa: “As articuladas são ideais para ambientes compactos, pois não precisam ser projetadas no ambiente, enquanto as pivotantes são recomendadas para espaços amplos, devido a sua projeção no ambiente interno”. Estas últimas conferem charme e estilo ao décor, caindo muito bem como portas de entrada. Seus modelos têm tamanhos maiores (1,20 x 0,9m) e podem ter detalhes, desenhos ou sulcos.

    Hora da limpeza!

    Não é preciso muito para manter as portas sempre limpas. Todos os profissionais recomendam o uso do bom e velho sabão neutro e água, evitando químicas e solventes que podem agredir a superfície do material. “Produtos à base de cloro, por exemplo, podem amarelar a tinta da porta”, comenta Érika.

    Mas a grande dúvida é: o que fazer se ela molhar? Será que corre o risco de inchar? E como remediar se isso acontecer? “O inchaço da porta depende do material e da quantidade de água recebida. Compensados de madeira que não são muito resistentes podem inchar em um curto prazo de tempo, diferentemente de uma madeira maciça ou fibras de madeira especiais, por exemplo”, explica Priscila. No entanto, se a porta inchar, a opinião dos profissionais é unânime: é necessário trocá-la. “Nesse estágio, a estrutura está comprometida, e o mais indicado é substituí-la, pois uma restauração não terá um resultado satisfatório”, ressalta Ana Paula. Se você decidir mantê-la, notará que, “após desinchar, irão aparecer pequenas rachaduras no material, e a pintura poderá descascar. Ou seja: de qualquer jeito, você terá de trocar a porta em curto prazo”, finaliza Érika.

    Possíveis problemas, possíveis soluções

    Ao longo do tempo, as portas podem apresentar alguns problemas. Os mais comuns são cupins e dobradiças rangendo. Para arrumar esses pequenos inconvenientes, basta apenas um pouco de conhecimento. É possível identificar se há cupim na madeira quando notamos furinhos no material e se aparecerem grânulos de madeira no chão (pó de madeira). “Caso encontre, o mais indicado é contratar uma empresa especializada para identificar se o problema começou há pouco tempo ou se está em estágio avançado. Se não der para fazer uma dedetização, o mais aconselhável é trocar a porta, principalmente para impedir que o cupim se alastre para os batentes e outros móveis”, ensina Érika. Com relação às dobradiças, a solução é bastante simples: “Se estiverem rangendo, basta lubrifica-las com óleo de máquina fino, como o da marca Singer, para tentar resolver o problema. Persistindo, é preciso verificar se não está na hora de fazer uma troca”, explica Luis.

    Mudança no visual

    Se o visual da sua porta estiver batido e sem graça você tem carta branca para fazer uma mudança, mas antes “contate o fabricante, pois alguns adesivos e determinados tipos de tinta podem prejudicar a superfície da peça. Além disso, cheque no contrato se uma possível mudança na porta poderá invalidar sua garantia”, explica Priscila. Se a troca for viárvel, as profissionais da Claris dão a dica: “Portas de madeira envernizada podem ser pintadas posteriormente ou trabalhadas com entalhes para os desenhos, já as metálicas exigem pintura, desde que se evite o uso do pincel, pois ele pode prejudicar o acabamento. Os modelos de PVC podem receber pintura, mas precisam de um tratamento específico na superfície ou o uso de tintas específicas. O ideal mesmo é planejar e realizar uma escolha definitiva para não alterar as características originais do produto, de modo a mantê-los funcionais por mais tempo.”

    Confira em nosso site as melhores ofertas de casas à venda.