Faça sua busca com a mesma eficiência no computador, tablet ou celular!

Baixe o aplicativo Chaves na Mão.

Chevrolet Celta

Dê sua opinião sobre Dê sua opinião

Confira o preço do Chevrolet Celta: Tabela FIPE

História do Celta

CELTA PRATA

Projetado como o carro acessível a todos, mesmo as camadas da população com menor poder aquisitivo, o Celta apareceu no mercado no ano 2000 prometendo economia, baixo custo de manutenção e linhas atraentes. Sucesso de vendas desde seu lançamento, o modelo de entrada da Chevrolet competia diretamente com o Uno (Fiat), Gol (Volkswagen) e Ka (Ford). Produzido na fábrica de Gravataí, no Rio Grande do Sul, sendo o primeiro veículo produzido naquela planta.
O projeto original do Celta foi baseado na união do design da segunda geração do Vectra com a traseira hatchback do Corsa, de quem o modelo também emprestava a motorização 1.0l mpfi. Essa primeira encarnação do Celta possuia alguns detalhes no interior que agradavam aos consumidores - como o painel parcialmente digital (apenas o velocímetro era analógico) - e outros que receberam críticas, como a ativação da buzina na alavanca de seta.
A primeira geração do Celta sofreu algumas alterações em sua mecânica. Em 2002 a fabricante trocou o motor 1.0l mpfi - utilizado pela marca desde 1996, no Corsa -, que gerava 60 cv, pelo 1.0l VHC de 70 cv. No ano seguinte uma versão 4 portas, e a possibilidade de adquirir o carro com motor 1.4l foram os grandes destaques da linha. Em 2005 foi lançado um kit de acessórios fora de estrada que podiam ser instalados em qualquer Celta, até mesmo os mais antigos. Também em 2005 o motor VHC foi substituído pelo VHC FlexPower, 1.0 gerando 70 cv, mas agora bicombustível, aceitando álcool e gasolina em qualquer mistura.
A segunda geração do modelo surgiu com a reestilização baseada na terceira geração do Vectra, realizada em 2006. O design foi alterado em todas as áreas do carro - frente, traseira e interior - mas sem alterações significativas de estrutura. É nesse momento que a versão sedã - o Prisma - passa a compor a linha Celta, que perde o modelo hatchback com motor 1.4l. Outra grande mudança na segunda geração aconteceu em 2009, quando o motor 1.0l VHCE substitui o 1.0l VHC, deixando o Celta mais econômico e potente, desenvolvendo até 77 cv na gasolina e 78 cv no álcool. Também foi aumentado o tanque de combustível para 54 litros de capacidade. A linha recebe 3 versões: Life, a mais básica, apenas com itens de série; Spirit, com parachoques na cor do veículo, limpador e desembaçador do vidro traseiro, e opção para instalação de direção hidráulica; e Super, que utilizava rodas maiores (14 polegadas, contra as 13” das versões mais simples), e melhor acabamento interno, entre outras pequenas vantagens.

CELTA CINZA

2012 apresenta a terceira - e última - geração do Celta ao mercado brasileiro. Com alterações estéticas na grade frontal - agora dividida - nos parachoques, painel de instrumentos e de controle do ar condicionado, além de diversos outros elementos visuais, a terceira geração do Celta não alterou a mecânica do modelo, mantendo o motor 1.0l VHCE. Apenas em 2013 surge a opção para airbag duplo e freios ABS, até então ausentes da linha, o que prejudicou a avaliação de segurança do carro, realizada em 2011, quando recebeu apenas 1 estrela em 5 para proteção de adultos, e 2 em 5 para proteção de crianças.
Em abril de 2015 a produção do Celta é encerrada, sendo substituído pelo compacto Onix nas concessionárias Chevrolet brasileiras (e pelo Spark, no exterior).

TRASEIRA CELTA VERMELHO CELTA CINZA CELTA VERMELHO CELTA PRATA INTERNO DO CELTA INTERNO DO CELTA CELTA PRATA CELTA VERMELHO CELTA VERMELHO INTERNO DO CELTA CELTA CINZA CELTA CINZA INTERNO DO CELTA CELTA AZUL

Especificações técnicas

O Celta mede 3,8m de comprimento com 2,4m entre os eixos, 1,8m de largura e 1,4m de altura, fazendo com que seja compacto e muito leve, pesando menos de 900 kg no total. O tanque de combustível, desde 2009, comporta até 54 litros de combustível, enquanto o porta malas tem capacidade para até 260 litros de armazenagem.
A motorização do Celta é padrão para todas as versões da terceira geração, movidas pelo 1.0l MPFI VHCE FlexPower, de 78 cv quando abastecido com álcool e 77 cv na gasolina. O câmbio é manual, com 5 marchas, sem opção para transmissão automática.

CELTA PRATA

Versões
A terceira geração do Celta deixou de lado as 3 versões (Life, Spirit, Super) da iteração anterior e apresenta apenas duas possibilidades de distinção do modelo.
A versão básica LT pode ter duas ou quatro portas e dispõe de parachoques na cor do veículo, painel com grafismo “blue ice” (o mesmo utilizado no Agile) e interior renovado, incluindo os controles de ar condicionado e de ventilação. Como o Celta LT pretende ser o carro mais barato do catálogo Chevrolet, não oferece muitos opcionais - entre eles, o ar condicionado, por exemplo - ou personalizações, com o objetivo de manter o baixo preço do modelo.

A versão mais completa Advantage vem com quatro portas, todas as atualizações de estilo e visual que caracterizam a terceira geração (também presentes na versão LT), ar quente de série (com opção para ar condicionado), direção hidráulica,  protetor de cárter, desembaçador traseiro, vidro dianteiro e travas das portas elétricos, acabamento especial prateado, entre outros detalhes na cor do veículo. Também conta com os itens de segurança - freios ABS e airbag frontal - disponíveis como opcionais na linha básica. O Advantage herda também a utilização de rodas com 14 polegadas e calotas diferenciadas, semelhantes às do antigo Astra.

Consumo

Como todo carro popular, o Celta preza pela economia de combustível. O motor 1.0l VHCE FlexPower oferece desempenho e consumo apropriados para a categoria. Com etanol no tanque, o carro percorre até 9,5 km/l na cidade e até 12,2 km/l na estrada, enquanto se abastecido com gasolina o rendimento chega aos 13,8 km/l urbanos e 16,9 km/l rodoviários.

Manutenção

Com 20 pontos na análise do CESVI sobre manutenção, o Celta é um dos carros de manutenção mais fácil, rápida e barata no Brasil, com custos semelhantes aos do Gol e do Uno, provando que o modelo era o competidor de peso da Chevrolet no segmento de entrada. A grande rede de oficinas e concessionárias Chevrolet garante ao veículo um amplo acesso à consertos e revisões, mas deve-se lembrar que o carro saiu de linha em 2015, o que deve dificultar o acesso à peças de reposição.


 

Valor de revenda

TRASEIRA CELTA PRATA

Além de fácil de revender, o Celta consegue manter um bom preço enquanto seminovo, especialmente no caso das versões mais completas (Super e Advantage). Bem aceito pelo mercado nacional, o popular da Chevrolet para a primeira década dos anos 2000 continua sendo o mais procurado por quem precisa de um carro ágil, leve e econômico para o transporte diário, o que ajuda a manter o preço de revenda em um patamar aceitável. Naturalmente, com a saída de linha e substituição pelo Onix, o Celta tende a desvalorizar mais, o que não significa necessariamente que a demanda pelo carro deixe de existir.

Avaliação do veículo

  • Avaliação geral
    0
  • Design  
    0
  • Performance  
    0
  • Conforto e Acabamento 
    0
  • Dirigibilidade 
    0
  • Consumo de Combustível 
    0
  • Manutenção 
    0
  • Custo x Benefício 
    0